quarta-feira , fevereiro 28 2024
Home / BANNER / Câmara Municipal aprova projeto do prefeito Melo de esvaziamento do Conselho Municipal de Saúde

Câmara Municipal aprova projeto do prefeito Melo de esvaziamento do Conselho Municipal de Saúde

Projeto foi votado na tarde desta quarta-feira (Foto: Leonardo Lopes/CMPA)

Seguindo o projeto iniciado há seis anos por Marchezan, o prefeito Sebastião Melo dá mais um passo para esvaziamento do Conselho Municipal da Saúde (CMS). É mais um ato que vai na contramão da história da cidade, que a fez ser mundialmente reconhecida pela participação popular e controle social das políticas públicas. O enfraquecimento do CMS e demais conselhos municipais visa claramente à implantação de políticas de terceirização e privatização dos serviços públicos da capital.
A votação do Projeto de Lei Complementar do Executivo (PLCE) nº 026/2021, que ataca o Conselho Municipal de Saúde, foi votado na tarde desta quarta-feira, dia 17, e aprovado pela maioria dos vereadores que compõem a base do governo Melo. A principal alteração é a transformação das funções de Conselho Deliberativo em Conselho apenas consultivo.
Entre as alterações mais graves levantadas pelo CMS está a interferência direta na paridade da participação dos segmentos dentro do colegiado. Conforme as resoluções do Conselho Nacional de Saúde, a paridade entre os segmentos no controle social do SUS é de 50% de representantes dos usuários, 25% de trabalhadores em saúde e 25% para os representantes do governo somados aos prestadores de serviço. Com o novo projeto, a gestão propõe que o segmento dos trabalhadores seja reduzido a 16,66% da representação.
A proposta do governo também ataca o número de conselheiros do pleno, reduzindo-o em 50% da atual composição, restringindo o plenário a 42 membros, entre titulares e suplentes. Além disso, cria mecanismos para votação popular das proposições e dos temas apreciados pelo CMS, numa clara tentativa de esvaziar as atribuições do órgão de controle social no âmbito do SUS municipal.
O CMS avalia que o projeto do governo retira a autonomia como órgão colegiado, desrespeitando a segregação das funções entre o Executivo e o Conselho.
Para que as terceirizações e privatizações aconteçam, Melo e a base aliada na Câmara Municipal buscam esvaziar a atuação dos Conselhos na fiscalização e controle social das políticas públicas da cidade, sendo que a transparência torna-se desinteressante pra quem quer transformar a Saúde, a Educação e a Cultura em mercadoria, visando lucro.
Em votações anteriores, já haviam sido também aprovados projetos de rebaixamento da participação popular nos Conselhos, na Educação e na Cultura.

A Astec, com o Simpa e outras entidades ligadas à Saúde, esteve presente no Plenário da Câmara, pressionando e conversando com alguns vereadores.

Para mais informações sobre o assunto, clique nos links a seguir:

Aprovadas alterações no Conselho Municipal da Saúde

Ofício nº 2642/GP, de 20/10/2021

Facebook Simpa sobre o PLCE nº 026/2021

Fortaleça a Astec!

Clique aqui e associe-se!

#Se puder, fique em casa!

ASTEC – Diretoria Executiva 2021/2022

UNIÃO, RESISTÊNCIA & LUTA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *