segunda-feira , julho 13 2020
Home / BANNER / Associado da Astec critica falta de postura jornalística de veículos paulistas que publicam matéria paga pela Administração Marchezan Jr.

Associado da Astec critica falta de postura jornalística de veículos paulistas que publicam matéria paga pela Administração Marchezan Jr.

Há alguns dias, o Estado de São Paulo publicou o artigo “O exemplo de Porto Alegre”, abordando o tema finanças da nossa capital. A matéria é um verdadeiro desastre, obra-prima de desinformação. O que espanta é que um dos maiores e mais tradicionais jornais do País, sabidamente conservador, que em janeiro próximo completará 145 anos, tenha perdido totalmente o compromisso que o jornalismo tem, ou que deveria ter, de bem informar, ser fiel aos fatos. Em seguida, confirmando tratar-se de matéria paga, o texto foi veiculado pela Folha de São Paulo e pelo Valor Econômico. Eles veiculam matéria paga e nem se dão ao trabalho de informar que é um texto elaborado pela própria Prefeitura de Porto Alegre, que faz o descarado autoelogio, gastando o dinheiro do contribuinte.

O texto faz a elegia do arrocho fiscal. Até aí tudo bem, algo normal nestes tempos de hegemonia deste molambento e desavergonhado liberalismo brasileiro. O problema é que a matéria veiculada vende uma versão irreal, baseada em dados orçamentário-financeiros que vêm sendo manipulados pelo Prefeito Marchezan Júnior (MJ), desde que assumiu.

Marchezan tomou posse afirmando que encontrara uma Prefeitura falida, que vinha, ano a ano, acumulando déficits. Os balanços dos últimos dez últimos anos desmentem esta bombástica declaração: de 2010 até 2019, em apenas dois anos (2013 e 2014) ocorreram déficits. Em oito, os resultados foram superavitários. No final de 2016, a Prefeitura registrou equilíbrio orçamentário, fechou suas contas com um pequeno superávit de R$ 23 milhões (em valores atuais).

Também em 2016, a Situação Financeira Líquida (SFL) – saldo entre o ativo financeiro (disponibilidades, aplicações de curto prazo) menos o passivo financeiro (obrigações exigíveis no curto prazo, restos a pagar não processados, etc.) era positiva, totalizava, a preços atuais, R$ 1 bilhão 689 milhões.

As leis orçamentárias (LOA) de Marchezan Júnior de 2018 e 2019 foram peças de ficção, anunciaram déficits elevados – fictícios – e investimentos gigantescos que não ocorreram. Para 2019, por exemplo, a previsão da LOA era investir R$ 902 milhões. O Sistema de Despesa Orçamentária da Fazenda (SDO/SMF) informa que até o dia 25 de dezembro deste ano foram empenhados apenas R$ 258 milhões e liquidados – obra pronta e em condições de ser paga -, R$ 118 milhões, pouco mais de 10% do que fora prometido. O Papai Noel do Júnior foi uma decepção: chegou com os sacos vazios!

A matéria paga do Estadão afirma que o prefeito saneou as finanças reduzindo a dívida da Prefeitura. Primeiro: a dívida consolidada e o pagamento dos juros sempre foram e são muito baixos, o montante devido representa 22% da Receita Corrente Líquida, o limite legal máximo é de 120%. No Estado, por exemplo, a dívida representa 223% da receita anual – é, proporcionalmente, dez vezes maior!

Em outubro deste ano, o balanço do quadrimestre (vide Portal da Transparência, Lei de Responsabilidade Fiscal) informa que MJ tinha em caixa R$ 760 milhões de reais e, ainda assim, recusou-se a pagar em dia o 13°. Como Marchezan “acumulou” esta “poupança”? Simples: redução dos gastos em educação e saúde, em investimentos e arrocho salarial. O governo de MJ investiu, no triênio, a preços atuais, apenas R$ 745 milhões, contra R$ 1.042 investidos no trimestre anterior, 2014/2016. Quase R$ 300 milhões empenhados a menos!

Desde 1° de maio de 2016, os servidores municipais não têm seus salários reajustados, não houve reposição das perdas nos dissídios de maio de 2017, 2018 e 2019 – variação do IPCA de maio/2016 a novembro de 2019: 13,36%; aumento da contribuição previdenciária: 3%, totalizando necessidade de reposição de 16,9%. Considerando-se uma folha mensal de R$ 250 milhões, MJ “economiza” R$ 42 milhões por mês, cerca de R$R 550 milhões anuais, com o arrocho!

Fica evidente que o texto do ESP, o Estadão, nada tem a ver com a realidade orçamentário-financeira da cidade. O Júnior, que certamente é o pior prefeito de Porto Alegre nas últimas cinco décadas, é apresentado como um messias, “o salvador das finanças de Porto Alegre”. Ele é um messias fajuto, um falso messias, é claro.

ASTEC – Diretoria Executiva 2019/220
RESISTIR E AVANÇAR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *