sábado , fevereiro 24 2024
Home / BANNER / EDITORIAL | PERDAS ALCANÇAM 1/3 DOS SALÁRIOS

EDITORIAL | PERDAS ALCANÇAM 1/3 DOS SALÁRIOS

PREFEITURA TEM DINHEIRO E AUTORIZAÇÃO DA CÂMARA, MAS CONFUSÃO ENTRE AUMENTO SALARIAL E REPOSIÇÃO FAZ PERSISTIREM AS PERDAS INFLACIONÁRIAS

Estamos no sexto ano seguido sem que a prefeitura cumpra a Lei Orgânica do Município no sentido de recompor as perdas salariais do funcionalismo. A corrosão dos proventos dos servidores municipais já atinge em torno de 1/3 do valor dos salários.

O Sindicato dos Municipários, com apoio da Astec e outras associações de servidores, tem cobrado insistentemente o debate sobre a reposição da inflação que atingiu, em dezembro, 31,92% do valor dos salários, além de aumento da contribuição previdenciária e alterações danosas do plano de carreira.

Desde o início da gestão Marchezan, alardeia-se uma crise financeira e fiscal que é falsa. Comprovação inequívoca disso são os dados oficiais da própria prefeitura. Números publicados no portal da transparência mostram que o superávit acumulado de 2016 a 2020 ficou próximo a R$ 2 bilhões e que o sistema de previdência é equilibrado e sustentável a longo prazo. Segundo balanço anual, publicado pela Secretaria Municipal da Fazenda, no último dia 26 de janeiro, o ano de 2021 registrou superávit de R$ 789 milhões.

Contudo, pela segunda gestão consecutiva, o discurso mantém a toada das dificuldades nas finanças públicas e, em cinco anos, a política de arrocho já provocou a perda de uma terça parte do valor dos salários do funcionalismo municipal, comprometendo a sustentabilidade de suas famílias e, consequentemente, de uma boa fatia da movimentação do comércio e serviços locais, uma vez que a quase totalidade dos proventos dos servidores reverte em consumo na cidade.

A Câmara de Vereadores aprovou, em dezembro último, a Emenda nº 383, da bancada de oposição, que “autoriza o Poder Executivo a fazer a reposição dos índices inflacionários devidos nas datas-base 2017, 2018, 2019, 2020 e 2021”, adequando a Lei Orçamentária Anual (LOA) ao previsto na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) 2022. Cabe ao prefeito executá-la na íntegra.

Ademais, os dados do governo indicam que há dinheiro, que a prefeitura tem receita suficiente para que o prefeito cumpra a lei e recomponha os salários, o que, porém, não ocorre – evidenciando que, por ora, o que falta ao gestor é vontade, apenas.

Diretoria da Astec

 

Fortaleça a Astec!
Clique aqui e associe-se!
#Se puder, fique em casa!

ASTEC – Diretoria Executiva 2021/2022
UNIÃO, RESISTÊNCIA & LUTA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *